Publicações

Livros

Linhas cruzadas sobre as relações entre os Estados Unidos e a Alemanha

A coletânea trata das relações que há muito vinculam a Alemanha e os Estados Unidos. O autor reflete sobre a peculiaridade das imbricações entre os países, procurando entender os elementos que atuaram no passado e que possam ainda estar agindo para transformar o futuro desse relacionamento. Isso permite uma compreensão mais profunda dos pontos em que essas duas nações se tangenciam e se distanciam no cenário mundial. A obra, amparada em rica e vasta bibliografia, preenche a lacuna de estudos e propõe-se a abrir portas para trabalhos posteriores sobre a relação entre alemães e estadunidenses.

Livros

O Peso do Estado na Pátria do Mercado

Este livro mostra o papel decisivo do poder público para desenhar o desenvolvimento dos Estados Unidos. A ação dos estados e governos locais promoveu a construção de infraestrutura na primeira metade do século XIX – e o país foi mudando de cara.

Autor: Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes

Livros

Educação Superior nos Estados Unidos

Educação superior nos Estados Unidos nos apresenta uma narrativa panorâmica sobre a constituição do sistema educacional de nível superior norte-americano. Rejeitando o caminho da adjetivação infundada, elabora uma cuidadosa análise histórica de uma das principais instituições dos Estados Unidos.

Autor: Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes

Livros

Organização internacional e mudança industrial Governança global desde 1850

Craig N. Murphy faz aqui uma extensa investigação sobre o conceito de governança global para demonstrar que ela se impõe há mais de um século nas relações globais por meio da atuação conjunta das organizações internacionais, dos inúmeros dispositivos reguladores – formais e informais –, das ideias e questões que se impõem em nível mundial e acabam se sobrepondo às ações dos governos individualmente.

Autor: Craig N. Murphy

Livros

Obama e as Américas

Logo depois de sua posse, em Janeiro de 2009, Barak Obama prometeu uma ‘nova era de parceria’ entre Estados Unidos e as Américas. Qual é o estado das relações entre Washington e o Continente? Quais foram os sucessos e fracassos? É possível construir um modelo de gestão regional que seja produtivo para todos? Este livro reúne artigos de alguns especialistas contemporâneos sobre o tema e oferece um novo olhar sobre as relações entre América Latina e seu vizinho ao Norte. Trata-se de um estudo das estratégias de política externa dos principais atores regionais.

Livros

Tradição liberal e política externa nos Estados Unidos: um diálogo com interpretações realistas e idealistas

Os Estados Unidos, originados por 13 colônias britânicas, sofreram percalços no processo de unificação, principalmente na esfera política. Diante desse cenário, Geraldo Zahran constrói a narrativa de Tradição liberal e política externa nos Estados Unidos, primeiro volume da coleção Relação Internacionais, publicado pela Editora PUC-Rio e Apicuri. A obra tem origem na dissertação de mestrado apresentada ao Instituto de Relações Internacionais da PUC-Rio e vencedora do prêmio Franklin Delano Roosevelt de Melhor Dissertação de Mestrado (Embaixada dos EUA).
Uma das discrepâncias que tange o crescimento norte-americano é o desenvolvimento ideológico referente à politica externa. Zahran apresenta duas vertentes ao tema: idealista, no qual se observa uma política de boa vizinhança; versus realista, ações não altruístas para o desenvolvimento nacional.
O autor oferece uma alternativa à relação bipartida entre realismo e idealismo ao interpretar essa política externa através da tradição liberal dos Estados Unidos. Para isso, Zahran se concentra em dois momentos: pós-Segunda Guerra Mundial e pós-Guerra Fria.
Baseado em seu campo de pesquisa, Zahran cita filósofos como Tocqueville, que defende o liberalismo, e movimentos intelectuais para elucidar o comprometimento da política liberal: “[…] as leis morais e éticas derivadas da versão da Bíblia do rei Jaime e dos filósofos do iluminismo europeu”.

Livros

Economia, poder e influência externa

Análise política e econômica das duas últimas décadas do século 20, esta obra destaca o papel das instituições criadas pelo acordo deBretton Woods para forçar os países da América Latina a adotar os “ajustes” econômicos da cartilha neoliberal. Com ênfase no Grupo Banco Mundial, busca esclarecer como e porque essas nações foram capturadas por promessas não cumpridas e conclui que alguns países, entre os quais o Brasil, aprenderam algo fundamental naquele período: que somente o país emissor da moeda de curso internacional pode viver sob déficits interno e externo.
Segundo o autor, todos os países latino-americanos que se submeteram aos programas de ajustes e souberam aprender tal lição saíram fortalecidos após os anos de ajuste, aos quais se seguiram outros, de incertezas. Coelho sustenta que, por caminhos previamente desconhecidos, os ajustes levaram ao fim de uma era, ainda que muitos de seus elementos tenham sido agregados às práticas internacionais.
O autor parte do princípio de que política é inseparável de economia e busca demonstrar as transformações econômicas globais geradas no ambiente político. Toma o Grupo Banco Mundial como instituição mais relevante nesse processo nas duas décadas finais do século passado, propondo que a internacionalização da produção, da circulação e do financiamento do capital provoca também a migração dos processos de decisão dos países periféricos para os centrais – ou seja, a perda de soberania dos primeiros -, ao mesmo tempo em que reforça o poder das instituições que servem aos interesses do estado hegemônico – neste caso, os Estados Unidos.

Livros

Petróleo e poder: o envolvimento militar dos Estados Unidos no Golfo Pérsico

Em Petróleo e Poder — O Envolvimento Militar dos Estados Unidos no Golfo Pérsico, Igor Fuser se debruça sobre a dimensão energética, numa abordagem que foge de tentações conjunturalistas animadas pela forte visibilidade do tema. Num percurso que incorpora a perspectiva histórica, o debate teórico e o processo que conduz ao intervencionismo nessa região, o autor nos apresenta uma análise extremamente elucidativa dos significados econômicos e estratégicos do petróleo na política externa estadunidense, especialmente após a Segunda Guerra Mundial, quando o país assume explicitamente a posição de grande potência.

Livros

Novas lideranças políticas e alternativas de governo na América do Sul

Neste livro são analisadas seis experiências nacionais – Argentina, Bolívia, Equador, Brasil, Venezuela e Colômbia – nas quais encontramos uma rica diversidade de significados em relação aos seguintes elementos: o esgotamento de um ciclo econômico marcado pela liberalização dos mercados, no contexto do chamado “Consenso de Washington”; a emergência de forças políticas e movimentos sociais cuja ação consegue combinar a crítica ao modelo dominante com a construção de alternativas de poder estatal; e a ascensão de governos preocupados com a revalorização do protagonismo do Estado frente ao Mercado, objetivando recuperar capacidades de gestão no âmbito interno – especialmente na promoção da equidade social – e externo, buscando afirmação regional no âmbito sul-americano e maior autonomia nas relações com os EUA.

Livros

De Clinton a Obama: políticas dos Estados Unidos para a América Latina

O livro apresenta um conjunto de estudos realizados na área de pesquisa “Integração e Crise na América do Sul e a Política dos Estados Unidos para a Região”, vinculada ao Instituto Nacional de Estudos Sobre os Estados Unidos (INEU). A perspectiva analítica adotada pelos autores pauta-se pela compreensão dos interesses, das estratégias e das políticas do governo dos Estados Unidos nas suas relações com a América Latina, baseando-se em dois eixos temáticos que delineiam a estruturação dos capítulos: 1) as abordagens predominantes na definição da política externa, assim como as correntes de opinião e ‘Think Tanks” com influência nos processos decisórios; 2) os interesses, as percepções e as políticas envolvendo o conjunto da região, blocos subregionais ou países individuais, estabelecendo o vínculo entre as diversas agendas e o dimensionamento dos desafios à segurança.